D’Alice.

Havia certamente muita pimenta no ar. Mesmo a Duquesa espirrava ocasionalmente; o mesmo acontecia com o bebê, que espirrava e uivava alternadamente, sem um momento de pausa. As únicas duas criaturas na cozinha que não espirravam eram a cozinheira e um grande gato, que estava deitado no centro e sorria de orelha a orelha.

“Por favor, a senhora poderia me dizer”, perguntou Alice timidamente, pois não estava muito certa se era educado falar primeiro, “porque seu gato sorri desse jeito?”

“Porque ele é um Gato de Cheshire”, respondeu a Duquesa, “é por isso. Porco!”

Ela pronunciou a última palavra com tanta violência que Alice deu um pulo; mas ela percebeu no instante seguinte que o chamado era dirigido ao bebê, e não a ela, então armou-se de coragem e tentou novamente:

“Eu não sabia que os gatos de Cheshire sempre sorriam, de fato, eu nunca soube que gatos pudessem sorrir.”

“Todos eles podem”, afirmou a Duquesa, “e muitos deles o fazem.”

“Eu não conheço nenhum”, disse Alice muito polidamente, sentindo-se agradecida por ter conseguido iniciar uma conversa.

“Você não sabe muito”, disse a Duquesa, “e isso é um fato.”

(…)e estava justamente dizendo para si mesma “se apenas soubesse a maneira certa de mudá-los…” quando levou um pequeno susto ao ver o Gato de Cheshire sentado sobre o ramos de uma árvore a pouca distância.

O Gato apenas sorriu quando viu Alice. Ele parecia bem natural, ela pensou, e tinha garras muito longas e muitos dentes grandes, assim ela sentiu que deveria tratá-lo com respeito.

“Gatinho de Cheshire”, começou, bem timidamente, pois não tinha certeza se ele gostaria de ser chamado assim: entretando ele apenas sorriu um pouco mais. “Acho que ele gostou”, pensou Alice, e continuou. “O senhor poderia me dizer, por favor, qual o caminho que devo tomar para sair daqui?”

“Isso depende muito de para onde você quer ir”, respondeu o Gato.

“Não me importo muito para onde…”, retrucou Alice.

“Então não importa o caminho que você escolha”, disse o Gato.

“… contanto que dê em algum lugar”, Alice completou.

“Oh, você pode ter certeza que vai chegar”, disse o Gato, “se você caminhar bastante.”

Alice sentiu que isso não deveria ser negado, então ela tentou outra pergunta.

“Que tipo de gente vive lá?”

“Naquela direção”, o Gato disse, apontando sua pata direita em círculo, “vive o Chapeleiro, e naquela, apontando a outra pata, “vive a Lebre de Março. Visite qualquer um que você queira, os dois são malucos.”

“Mas eu não quero ficar entre gente maluca”, Alice retrucou.

“Oh, você não tem saída”, disse o Gato, “nós somos todos malucos aqui. Eu sou louco. Você é louca.”

“Como você sabe que eu sou louca?”, perguntou Alice.

“Você deve ser”, afirmou o Gato, “ou então não teria vindo para cá.”

Alice não achou que isso provasse nada afinal: entretanto, ela continuou: “E como você sabe que você é maluco?”

“Para começar”, disse o Gato, “um cachorro não é louco. Você concorda?”

“Eu suponho que sim”, respondeu Alice.

“Então, bem”, o Gato continuou, “você vê os cães rosnarem quando estão bravos e balançar o rabo quando estão contentes. Bem, eu rosno quando estou feliz e balanço o rabo quando estou bravo. Portanto, eu sou louco.”

“Eu chamaria isso de ronronar, não rosnar”, disse Alice.

“Chame do que você quiser”, disse o Gato. “Você vai jogar críquete com a Rainha hoje?”

“Eu gostaria muito”, respondeu Alice, “mas ainda não fui convidada.”

“Você me verá lá”, disse o Gato, e desapareceu.

Alice não ficou muito surpresa com isso, ela estava se acostumando com coisas estranhas acontecendo. Enquanto ela ainda estava olhando para o lugar onde o Gato estivera, ele reapareceu repentinamente.

“A propósito, no que se transformou o bebê?”, perguntou o Gato. “Eu quase esqueci de perguntar.”

“Transformou-se num porco”, Alice respondeu calmamente, come se o Gato tivesse voltado da maneira mais natural possível.

“Eu pensei que ele iria”, disse o Gato, e desapareceu novamente.

Alice esperou um pouco, meio que esperando vê-lo novamente, mas ele não apareceu, e depois de um minuto ou dois ela começou a caminhar na direção de onde foi dito que a Lebre de Março morava. “Eu já vi Chapeleiros antes”, disse ela para si mesma, “a Lebre de Março será bem mais interessante, e talvez, como é Maio ela não estará delirante – pelo menos não tão loucamente como ela deve ficar em Março.” Ao dizer estas palavras ela olhou para cima e lá estava o Gato novamente, sentado no galho de uma árvore.

“Você falou porco ou figo? (pig or fig)”, disse o Gato.

“Eu disse porco”, retrucou Alice, “e eu gostaria que você parasse de aparecer e desaparecer repentinamente: você deixa a gente tonta!”

“Tudo bem”, disse o Gato, e desta vez ele desapareceu bem lentamente, começando pelo final do rabo e terminando pelo sorriso, que permaneceu por algum tempo depois do resto ter ido embora.

“Bem! Eu tenho visto muitos gatos sem sorriso”, pensou Alice, “Mas um sorriso sem um gato! É a coisa mais curiosa que já vi em toda minha vida!”

(…)Ela estava procurando alguma maneira de escapar, imaginando se daria para fugir sem ser vista quando percebeu uma curiosa aparição no ar: aquilo a confundiu muito no início, mas depois de olhar por um minuto ou dois percebeu que era um sorriso e ela disse para si mesma: “É o Gato de Cheshire: agora eu tenho alguém com quem falar.”

“Como você está se saindo?”, perguntou o Gato, tão logo ele teve boca o suficiente para falar.

Alice esperou até que seus olhos surgissem e então cumprimentou-o com a cabeça.

“Não adianta falar com ele”, ela pensou, “até que suas orelhas apareçam, ao menos uma delas.” Em um minuto toda a cabeça apareceu e então Alice colocou seu flamingo no chão e começou a comentar o jogo, sentindo-se muito feliz por ter alguém para ouvi-la. O Gato parecia achar que já havia parte suficiente sua aparente e nada mais surgiu.

“Eu não acho que eles joguem de maneira muito certa”, Alice começou em um tom de queixa, “e discutem de um jeito tão maluco que você não consegue ouvir ninguém falar… parece que eles não têm nenhuma regra. Finalmente, se têm, ninguém parece respeitar…você não faz idéia de como é confuso jogar com todas essas coisas vivas. Por exemplo, o arco sob o qual deveria passar minha bola mudou-se para o outro lado do campo…e quando eu deveria atingir o ouriço da Rainha agora há pouco, ele saiu correndo ao ver o meu se aproximando!”

“O que é que você acha da Rainha?”, perguntou o Gato em uma voz baixa.

“Nada em especial”, respondeu Alice, “ela é tão extremamente…” Exatamente neste instante ela percebeu que a Rainha estava bem ao seu lado, ouvindo, “…boa nesse jogo que vai ser muito difícil chegar ao final da partida.”

A Rainha sorriu e seguiu em frente.

“Com quem você está falando?”, perguntou o Rei, vindo em direção de Alice e olhando para a cabeça do Gato com muita curiosidade.

“É um amigo meu…o Gato de Cheshire”, respondeu Alice. “Deixe-me apresentá-lo.”

“Eu não gosto do jeito dele”, disse o Rei. “Entretanto ele pode beijar minha mão, se quiser.”

“Eu prefiro não beijar”, o Gato retrucou.

“Não seja impertinente”, disse o Rei, “e não me olhe dessa maneira!”, escondendo-se atrás de Alice enquanto falava.

“Um gato pode olhar para um rei”, disse Alice. “Eu já li isso em algum livro, mas não me recordo qual.”

“Bem, ele tem que retirar-se daí”, disse o Rei decidido, e chamou a Rainha, que passava por ali naquele momento: “Minha querida! Eu gostaria que você mandasse retirar esse gato daqui!”

A Rainha só tinha uma maneira de remover todas as dificuldades, grandes ou pequenas. “Cortem-lhe a cabeça!”, ela ordenou sem nem mesmo olhar para os lados.

“Eu mesmo vou buscar o carrasco”, disse o Rei impacientemente e apressou-se.

Alice pensou que seria melhor voltar e ver como andava a partida, quando ouviu ao longe a voz da Rainha gritando enlouquecidamente. Ela já ouvira por três vezes a sentença de execução para jogadores que tinham perdido sua vez e não estava gostando nada disso, pois com o jogo confuso como estava ela nunca sabia se era sua vez ou não de jogar. Daí, ela saiu procurando seu ouriço.

O ouriço estava engalfinhado com outro ouriço, o que pareceu para Alice uma excelente oportunidade para atirar um contra o outro: a única dificuldade foi que o seu flamingo tinha corrido para o outro canto do campo, onde Alice podia vê-lo tentando, sem grandes resultados, levantar vôo até uma árvore.

Quando finalmente ela conseguiu apanhar o flamingo e trazê-lo novamente de volta, a luta entre os ouriços tinha terminado e os dois animais tinham sumido: “Mas isso não importa”, Alice pensou, “pois todos os arcos se foram desse lado do campo.” Então ela novamente colocou o flamingo debaixo do braço para que ele não escapasse novamente, e voltou para conversar um pouquinho mais com seu amigo.

Quando ela voltou para onde estava o Gato de Cheshire, surpreendeu-se com uma multidão ao seu redor: havia uma discussão entre o carrasco, o Rei e a Rainha, todos falando ao mesmo tempo, enquanto o resto permanecia em silêncio, parecendo bastante constrangidos.

No momento em que Alice apareceu, foi chamada pelos três para decidir a questão. Eles repetiram seus argumentos, mas, como todos falavam ao mesmo tempo, ela achou muito difícil entender exatamente o que diziam.

O carrasco argumentava que não se pode cortar uma cabeça ao menos que ela não esteja presa a um corpo. Que ele nunca fizera uma coisa dessas na vida e não seria desta vez que ele começaria.

O Rei argumentava que qualquer coisa que tivesse cabeça poderia ser decapitada, e que aquela conversa era besteira.

A Rainha argumentava que, se alguma coisa não fosse feita rapidamente, ela iria mandar executar todo mundo em volta. (Esta última observação é que deixara o grupo com aquele tom sério e ansioso.)

Alice não encontrou nada melhor para dizer que “Ele pertence à Duquesa: seria melhor perguntar para ela sobre isso.”

“Ela está na prisão”, a Rainha disse ao carrasco.

“Vá buscá-la.”

E o carrasco saiu disparado como uma flecha.

A cabeça do Gato começou a desaparecer bem no momento em que ele se foi e na hora que o carrasco voltou com a Duquesa já tinha sumido totalmente. O Rei e o carrasco começaram a procurá-lo desesperadamente por todo lado, enquanto o restante do grupo voltou ao jogo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s